fbpx

Psicologia Positiva: o poder do otimismo

Sugestões em Estados Alterados de Consciência
7 de maio de 2014
Guia sobre o significado do coaching!
9 de maio de 2014

Psicologia Positiva: o poder do otimismo

Willian James, pai da psicologia moderna afirmava que o pessimismo leva à fraqueza, o otimismo ao poder.

Em 1998, Martin Seligman assumiu a presidência da American Psychological Association e, após um mergulho nas missões da psicologia, iniciou um grande estudo que tinha como objetivo analisar a maneira como se processam as emoções positivas e como aumentar sua incidência.

Esse estudo teve inicio após Seligman verificar que havia um demasiado foco no tratamento das questões mentais em detrimento do cultivo das potencialidades e da busca pela felicidade. Assim começou o movimento denominado Psicologia Positiva, que visa oferecer nova abordagem às potencialidades e virtudes humanas, estudando as condições e processos que contribuem para a prosperidade dos indivíduos.

Outro personagem de influente contribuição neste movimento da psicologia positiva foi do psicólogo húngaro Mihaly Csikszentmihalyi, criador da teoria do flow.

A Psicologia tradicional possuí como objetivos: curar as doesças mentais, identificar e cultivar os talentos humanos e tornar mais feliz a vida dos indivíduos. Historicamente, por conta sobretudo dos traumas causados pela segunda guerra mundial, ataques terroristas, guerras civis e desastres naturais, a psicologia preocupou-se em investigar e tratar as patologias, principalmente as ligadas à depressão e à ansiedade, negligenciado os aspectos saudáveis dos seres humanos.

Com uma abordagem de saúde mental diferente do foco da psicologia tradicional, a psicologia positiva se concentra no que há de melhor no ser humano, nos quesitos saúde mental, felicidade e bem-estar.

A psicologia positiva prioriza aqueles resultados fora da curva, em detrimento do culto da média, que observa uma tendência e exclui os valores discrepantes, tratando-os como erros de mensuração. Imagine um grupo com 100 pessoas. Supondo que 97 pessoas apresentem um resultado mediano e 3 um resultado extraordinário, a tendência desta pesquisa será limpar os resultados discrepantes – positivos – e se basear na média.

Para Seligman, a psicologia positiva focaliza três áreas principais: emoção, traços positivos de caráter e o estudo das instituições positivas que respaldam os traços de caráter. A revolução trazida por Seligman foi a ideia de concentrar-se mais no lado positivo da curva. Era preciso estudar o que funciona, e não apenas o que emperrou.

A primeira publicação com essa característica de psicologia positiva, embora sem utilizar o termo, foi a obra de Martin Seligman, Aprenda a ser otimista, publicado em 1991. Nesta obra o autor afirma que cultivar um estado de espírito otimista aumenta significativamente nossas chances de obter saúde, riqueza e felicidade.

Vitimização aprendida

Antes de assumir a presidência da American Psychological Association, Seligman já era um especialista em Psicologia cognitiva que passou muitos anos testando clinicamente a ideia de vitimização aprendida. Em seu experimento não convencional (e provavelmente não aceito pelos grupos de defesa dos animais) com leves eletrochoques em cães, Seligman provou que os animais desistiam de tentar escapar se acreditassem que, não importa o que fizessem, continuariam levando choques. Em seguida outro pesquisador testou o mesmo princípio em seres humanos com ruídos em vez de choques, e descobriu que o sentimento de vitimização aprendida pode ser desenvolvido na mente humana com a mesma facilidade. No entanto, havia um anomalia em ambos os resultados, um em cada três (cachorros e seres humanos) não desistia, e continuavam tentando até escapar/fazer com que os ruídos parassem.

Como base nestes experimentos, Seligman concluiu que a capacidade que alguns indivíduos possuem de se recuperar de uma derrota ou fracasso não é, como costumamos pensar, um triunfo da vontade humana, mas o desenvolvimento de um conjunto de padrões mentais que não identifica a derrota como algo permanente ou que afetem seus valores básicos. É a melhor notícia é a conclusão otimista de que esses padrões mentais podem ser aprendidos/desenvolvidos.

Para Seligman, o sucesso na vida profissional e pessoal acontece quando consegumos perceber com precisão a realidade presente ao mesmo tempo em que visualizamos um futuro interessante.

Muitas pessoas, segundo Seligman, são otimistas em perceber a realidade, mas não conseguem visualizar o futuro. Em meus atendimentos realizados nos últimos 10 anos, percebi claramente esse fator quando, ao perguntar sobre suas metas, a maioria dos indivíduos não sabiam ou não conseguiam detalha-las, com os pormenores que uma meta precisa para ser registrada na mente inconsciente.

Por que estudar o otimismo?

A Psicologia Positiva identifica e cultiva os pontos fortes e os valores, ressignificando o estilo pessimista. Seligmam trata os estilos do ser humano em otimista e pessimista.

Podemos simplificar o processo usando a metáfora do pote de vidro com bolinhas azuis e vermelhas, representando as azuis os pontos positivos e as vermelhas os pontos negativos. Podemos extrair uma a uma as bolinhas vermelhas ou inserir bolinhas azuis até que estas sobressaiam às vermelhas.

Para Seligman, pensamentos negativos não são sinônimos de depressão, mas causadores dela. O Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos provou, após uma minuciosa pesquisa, que a depressão resulta de hábitos de pensamentos. O que significa que desenvolver os músculos mentais do otimismo reduz significativamente a probabilidade de ficarmos deprimidos.

Wagre Furtado

Quer saber mais sobre Psicologia Positiva? Venha assistir a palestra gratuita “Consciência que Transforma”.

Garanta sua vaga!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *